Neste final de semana, com total merecimento, e uma vez mais, o Sr. CAOA – CARLOS ALBERTO OLIVEIRA ANDRADE, e sua CAOA, ocupam a cena.

Além de notícia em todas as publicações, pela parceria com a chinesa CHERY – um desastre na América Latina -, 6 páginas de BRAND CONTENT nas primeiras páginas de VEJA e de EXAME.

Em VEJA, com a chamada, “A UNIÃO DE GIGANTES”. Em EXAME, “BRASIL E CHINA ACELERAM JUNTOS”.

Perfeito! Muito bom constatar-se que em plena crise existe um “maluco” apostando alto e pagando para ver.

Mas, muitas dúvidas permanecem naqueles que tiveram o cuidado de ler por inteiro e com isenção todas as notícias, e os BRAND COTENTS.

1 – 19 DE MAIO DE 2015 – “A montadora chinesa de veículos CHERY-SOCMA anunciou nesta terça-feira sua saída do URUGUAI pela impossibilidade de concretizar exportações para o BRASIL e ARGENTINA devido a crise nesses dois países. A companhia estava inativa desde outubro do ano passado…”.

2 – 21 DE JUNHO DE 2016 – “A montadora chinesa CHERY vai suspender a produção de veículos no Brasil por até cinco meses a partir de julho…”.

3 – 20 DE OUTUBRO DE 2017 – “No último dia 11 a CHERY anunciou na bolsa de valores de ANHUI, CHINA, a intenção de vender 50,07% do capital da subsidiária brasileira, cujo valor é avaliado em US$ 40,6 milhões. A montadora emplacou 21,6 mil veículos no Brasil em 2011, e menos de 3.000 neste ano…”

E aí vem a notícia de agora, QUATRO RODAS, 11 novembro 2017, 07H56:

“A CAOA anunciou oficialmente sua parceria com a CHERY no Brasil, formando agora a CAOA CHERY. A marca se apresenta como uma empresa 100% nacional, com 50% da sociedade brasileira e 50% chinesa…”.

Isso posto, uma breve leitura no BRAND CONTENT em VEJA e EXAME, produzidos pela ABC – ABRIL BRANDED CONTENT.

“As fabricantes CAOA E CHERY firmam parceria que prometem mudar o mercado automotivo brasileiro” (EXAME). E, no texto, “A nova empresa que será 100% nacional (?)englobará toda a tecnologia de ponta da indústria chinesa…”.

DEFINITIVAMENTE, não existe a tal da tecnologia de ponta na CHERY, Uma montadora recente, e que em toda a sua história só colecionou fracassos e prejuízo – prejuízos descomunais -, mesmo sendo a mais importante montadora chinesa, mas com números medíocres diante de montadoras de outros países. Como uma HYUNDAI, da Coreia do Sul, também parceira da CAOA.

Mais adiante, fala sobre possível e eventual integração das redes das diferentes marcas (EXAME): “Os veículos da CAOA CHERY contarão com um reforço em sua rede de distribuição e oficinas de serviço por todo o país. Hoje, com a maior operação de distribuição e fabricação de automóveis da América Latina dedicadas às marcas coreana HYUNDAI, japonesa SUBARU e da americana FORD, a REDE CAOA conta com 180 concessionárias, 1100 vendedores especializados e 3400 profissionais dedicados aos serviços de pós-venda…”

Ou seja, e pelo jeito, a nova política de distribuição da CAOA é multimarcas. Uma grande rede de distribuição trabalhando com 4 MARCAS diferentes: FORD, HYUNDAI, SUBARU E CHEVY.

E por aí vai.

Isso posto, parabéns, CARLOS ALBERTO OLVEIRA ANDRADE, empresário. Não me compete comentar aqui algumas graves questões que a CAOA enfrenta na justiça. Reverencio, exclusivamente, a energia empreendedora e a coragem do empresário.

Mas, e de todos os negócios por ele já protagonizados até hoje, este é, de longe, o pior de todos.

De verdade, mesmo, comprou apenas máquinas, instalações e tempo. Se depender da excelência da tecnologia e know-how da CHINA em termos de automóveis, design e inovação, acaba de fazer uma parceria e mergulho profundo, talvez irreversível, com e no passado.

PS, no BRANDING COTENT publicado em VEJA, uma curiosa afirmação de GUILHERME PEREIRA, diretor de inovação da FIAP.

Diz o CONTENT, “Por muito tempo, a CHINA foi conhecida como a FÁBRICA DE CÓPIAS do mundo. Mas é verdade também que foi dessa maneira que os chineses absorveram muito das tecnologias de outros países. E aí diz GUILHERME, “A estratégia de cópia é uma das fases da inovação. Quando você domina a cadeia de suprimentos e engenharia para fazer um avião, por exemplo, o próximo passo é ter sua própria empresa estatal aérea, e é assim também em outras áreas, como softwares, hardwares”.

ENTENDEU? Eu não entendi absolutamente nada.

Cópia continua sendo cópia independente da denominação que se queira dar a essa manifestação criminosa e lamentável. Madia.

EM TEMPO: Na mesma EXAME, a nota da revista: “O NOVO PLANO DA CAOA – O empresário CARLOS ALBERTO DE OLIVEIRA ANDRADE, dono da CAOA, redefiniu suas estratégias com a compra de metade da montadora chinesa CHERY. A concorrente sul-coreana HYUNDAI, parceira da CAOA, pressionava há anos por uma revisão do contrato de importação e fabricação de veículos da marca – A HYUNDAI QUER ASSUMIR DE VEZ SUA OPERAÇÃO NO BRASIL. Na renegociação deste ano, as duas empresas definiram que a CAOA vai sair do negócio aos poucos da fabricação e da importação de veículos da marca HYUNDAI, mantendo apenas a rede de concessionárias”. A CAOA NEGOU A INFORMAÇÃO.