Todos estavam olhando numa mesma direção quando se deram conta de um movimento estranho.

Viraram a cabeça e olha só quem estava lá? Isso mesmo, BEZOS e sua AMAZON com ALEXA a tiracolo.

Desde esta semana as maiores redes de farmácias nos Estados Unidos não conseguem dormir. E todas as demais, de todos os cantos do mundo, não fazem outra coisa que não seja bisbilhotar e especular o que que a AMAZON quer com o negócio de distribuição e venda de remédios e medicamentos.

Há 48 horas a AMAZON conseguiu licença para começar a oferecer suprimentos exclusivamente de uso profissional para hospitais, clínicas médicas e dentárias, e assemelhados. Não, por enquanto, para o consumidor final.

E começa essa operação pelos estados de Nevada, Arizona, North Dakota, Louisiana, Alabama, New Jersey, Michigan, Connecticut, Idaho, New Hampshire, Oregon e Tenessee.

No exato momento em que todas as maiores organizações de farmácias do mundo monitoravam o market place da AMAZON para aprender e aplicar em seus territórios de atuação.

Em tese, a AMAZON poder não pode, a menos que compre alguma dos grandes grupos de farmácias – e parece que as negociações encontram-se adiantadas – invadir esse território no curto e médio prazo.

Mas nenhuma das grandes redes ignora o grau e profundidade de conhecimento que a Amazon tem hoje praticamente de toda a população americana, a partir, e por exemplo, de seus hábitos de leitura… “La terra trema”, como nos ensinou LUCHINO VISCONTI.